Garrafas com água da biquinha do Parque São Jorge serão distribuídas de brinde na sede social do Corinthians

Identidade Corinthiana

FONTE SAGRADA DE SÃO JORGE Fiéis aos Valores Corinthianos, pais mantém a tradição de levar seus filhos para beber a água da Biquinha do Parque São Jorge.

Atrás da velha Fazendinha, apelido dado ao estádio Alfredo Schürig, inaugurado em 1928, no terreno onde está a área social do Sport Club Corinthians Paulista, há um local sagrado para todos os Corinthianos.

água
Água da Bica de São Jorge engarrafada para o Corinthiano (Foto: Divulgação)

Estamos falando da famosa Biquinha, também conhecida como “Fonte de São Jorge”. Uma pequena escadaria conduz os visitantes até ela, onde jorra ininterruptamente água cristalina e, acreditem, abençoada! Bem conservada e revestida por azulejos, carrega a imagem de São Jorge zelando pelo líquido sagrado.

Quem passa por lá, além de matar a sede, é envolvido por outros efeitos benéficos. Isso porque, quem bebe da água da fonte de São Jorge recebe a benção de virar Corinthiano na mesma hora e, assim, ser feliz para o resto da vida.

Uma das cenas mais comuns em toda a história do Parque São Jorge é ver os Pais levarem seus Filhos, ainda na primeira idade, para beber a água santa da Biquinha. É uma tradição que passa de geração em geração, e algo que ajudou a construir os nossos valores ao longo dos anos.

Os Associados mais antigos contam diversas histórias, incluindo torcedores de outros times, até mesmo de arquirrivais, que depois de beberem aquela água se tornaram Corinthianos.

Se a água da Biquinha é incolor, o seu efeito é Alvinegro! E se o Parque São Jorge é o solo sagrado dos Corinthianos, a Fonte de São Jorge também faz milagres.

Porque, se alguém teve a infelicidade de não nascer Corinthiano, ainda há esperança de beber a água da Biquinha e receber a benção do Santo Guerreiro.

As garrafinhas com a água abençoada da Fonte São Jorge, oferecidas pela Chapa Valores Corinthianos 83, têm o objetivo de manter viva uma tradição com mais de 90 anos.

Deixe um comentário